Quarta-feira, 18 de Maio de 2011

o que me mata, é nunca mais te ver

caminho até o alto do monte
observo a linda vista...
os vales, os pássaros e as flores
é bom que isto exista.

salto para o precipício
e como um pássaro suavemente,
bato os braços bem depressa,
mas sem asas fico descrente.

no frio da minha queda,
lembro o frio da tua partida.
saudades dos nossos orgasmos
e da comunhão da nossa vida.

a dor é quase insuportável,
cheguei ao chão como um soco,
ossos partidos fora do lugar
num som seco, num som oco.

tento erguer-me e chegar-me a ti,
movimento-me em tremenda em agonia
caminhando passo a passo
empurrado por minha alma e ideologia.

na hora do abraço tu te afastas,
caio e tu me observas a morrer,
mas não é a queda que me mata,
o que me mata, é nunca mais te ver.

escrito por carlos henriques às 09:00

link do post | comentar
sentimentos sentidos

o autor

arquivos

Maio 2015

Fevereiro 2014

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011